Avaliações – Filh@s da Pátria II por Camilo Soares

Avaliação por Sarah Helena

A proposta é muito divertida, mas o texto ficou um pouco confuso na estrutura. Alguns dos clichês escolhidos para representar os partidos e as opções do final de jogo também ficaram um pouco bagunçados  (ok, ok, eu sei que a política brasileira é uma bagunça, mas não foi nesse sentido que eu quis dizer). Os privilégios e fortalezas são interessantes, mas alguma coisa na mecânica de como eles são utilizados poderia ser melhor desenvolvida.
O jogo me dá a sensação de ser um party game bem bom, mas as explicações deixam margem para dúvidas e uma necessidade de ir e vir várias vezes pelas regras para pegar tudo. Sátira não é um gênero fácil de escrever, e a revisão é amiga, por isso acredito que rever o material auxiliaria bastante a tornar o texto mais agradável e claro.
1-  O jogo é capaz de transmitir a experiência a que se propõe? As regras atuam no sentido de proporcionar a experiência proposta?
As regras são funcionais, mas a forma como estão distribuídas no tempo não colabora para o entendimento.
2- Quão completo é o jogo: o jogo enviado funciona sozinho, com todos os elementos para uma sessão de teste?
Sim, menção honrosa para a adaptação para os dados das Cartas de Crise
3- O jogo incorpora de maneira concreta e substancial os temas escolhidos? 
Acredito que embora a nomenclatura privilégios e fortalezas tenha sido usada, os conceitos poderiam ter sido desenvolvidos com mais atenção.

NOTA: 1


Avaliação por Jordan Florio de Oliveira

O jogo é extremamente divertido e gostoso de ler, interessante e perspicaz em suas piadas em ironias. O design gráfico está super agradável e eu acredito que com o grupo certo esse jogo com certeza seria um sucesso.

Os poréns dele é que eu não vi muito dos temas propostos diretamente envolvidos no jogo, me pareceu um pouco que o projeto já existia e então ele só tentou inscrever o jogo no concurso.

O jogo em si está perfeito! Sinceramente existe muito material interessante, embora enviesado, sobre as situações políticas.

O jogo depende um pouco de seus jogadores e de uma diagramação melhor das informações para ser totalmente funcional, mas está tudo no documento.

NOTA: 2,2


Avaliação por Gabriel Alonso

  • O jogo é capaz de transmitir a experiência a que se propõe? As regras atuam no sentido de proporcionar a experiência proposta?

Perfeitamente. Todas as regras se encaixam uma na outra de forma fluida e elegante. O jogo conta com diversas rotas que podem ser seguidas durante uma única gameplay, que geram escolhas para o jogador e contribuem para a narrativa, deixando a experiência que o jogo propõe completa e perfeitamente adequada para uma (ou várias sessões de jogos). Cada jogador, a partir das suas escolhas, pode de fato interpretar o personagem criado e gerar histórias dentro da ambientação e do tema proposto.

  • Quão completo é o jogo: o jogo enviado funciona sozinho, com todos os elementos para uma sessão de teste?

O jogo funciona sozinho para uma sessão de testes e talvez até mais do que somente testes. As regras são simples de se entender, mas que funcionam bem e se amarram na narrativa que pode ser gerada. Além disso, o sistema do jogo como um todo oferece um bom valor de replay, podendo ser jogado sem apresentar repetições e gerar várias combinações de ações e fichas de personagem.

  • O jogo incorpora de maneira concreta e substancial os temas escolhidos?

Todos os temas do jogo são colocados na ficha de atributos, incorporando-os diretamente na forma como os personagens interpretam e se desenvolvem durante o jogo, sendo usados de maneira bastante concreta e tendo um papel fundamental no jogo, oferecendo-se até mesmo para auxiliar o jogador quando realizando suas ações.

Ressalvas finais: Com regras bem amarradas, simples o suficiente de serem entendidas, mas que beneficiam uma sessão de jogo de forma concreta e direta, Filho@s a Pátria possui clareza na sua temática e na narrativa que pode ser criada através dele, apresentando-se através de um sistema concreto e dinâmico, com um toque de humor na hora certa, tornando a leitura agradável e que já coloca o jogador num papel de se imaginar jogando.

NOTA: 3


Nota final do jogo Filh@s da Pátria II por Camilo Soares:  2,06

About the author: Rafael Rocha

Rafael Rocha é sociólogo, um dos membros do coletivo/editora Secular, e um dos organizadores das primeiras edições do Laboratório de Jogos e Concurso Faça-Você-Mesmo de Criação de Jogos.

Leave a Reply

Your email address will not be published.